Evento | Congresso Ibérico de Direito do Urbanismo

Publicado em Ter, 20/03/2018 - 22:53

                Decorreu, nos dias 15 e 16 de março, o Congresso Ibérico de Direito do Urbanismo na Faculdade de Direito de Lisboa, apoiado pelo Instituto de Ciências Jurídico-Políticas da Faculdade de Direito de Lisboa e pelo Centro de Investigação de Direito Público da mesma faculdade. Foi coorganizador do evento a Universidad Nacional de Educación a Distancia (UNED), sob a coordenação da professora Dra. Marta Lora-Tamayo.
 
               O Congresso, que contou com oradores de diversos quadrantes profissionais, académicos e geográficos, centrou-se numa profunda reflexão e discussão, de elevado nível científico, sobre os desafios atuais do Direito do Urbanismo em Portugal e Espanha, não esquecendo a nova agenda urbana da União Europeia.
 
               Nesta edição, o Congresso concentrou-se na Nova Agenda Urbana derivada do Programa Habitat III, concretizada em Quito no final de 2016, e na Agenda Urbana da UE e da Espanha, esta em fase de preparação.
 
Como salientou a Organização das Nações Unidas, o processo de urbanização no mundo é imparável. Está previsto pela ONU que a população urbana mundial alcançará a cifra de aproximadamente dez milhões de pessoas em 2060, 66% das quais viverão em cidades sendo que, neste exato momento do século XXI, mais de metade da população já se encontra em áreas urbanas. A Europa e a Península Ibérica formam uma área onde o urbanismo tem uma evidente importância. O estudo das cidades deve ser necessariamente transdisciplinar para ser capaz de abordar os complexos problemas das áreas urbanas e os direitos das pessoas exercidos nas mesmas.
 
               A conferência começou com uma apresentação dos professores Fernando Alves Correio e Luciano Parejo Alfonso. O conhecido constitucionalista lusitano, ex-Juiz Conselheiro do Tribunal Constitucional, apresentou os projetos portugueses dos últimos anos, aludindo a relevantes princípios incorporados na prática nacional, como o da integração de políticas públicas urbanas ou o do desenvolvimento territorial sustentável, que exige uma análise cuidadosa da necessidade de mudar o solo rústico para urbano caso a caso.
 
              Por sua vez, o Professor Parejo Alfonso explicou a situação atual e os desafios futuros do Direito Urbano na Espanha. Entre outros temas, apresentou a questão da distribuição de poderes de planeamento urbano e de gestão de terras, tendo ainda defendido a necessidade de tornar essa situação menos opaca para, assim, se aperfeiçoar o sistema, com, por exemplo, melhor cooperação entre os níveis, como é o caso de Portugal ou Itália, e propor possibilidades para gerar novas comissões de urbanismo, que sejam capazes de fortalecer a sua coordenação e ir ao encontro do interesse público comum.
 
               A sessão do primeiro dia foi encerrada com a intervenção de vários interlocutores portugueses e espanhóis, que abordaram diferentes questões relacionadas com temas urbanos relativos a ambos os países, como Fernanda Paula Oliveira, Matilde Lavouras (ambas da Universidade de Coimbra), Ana Sá (Universidade da Lisboa), Eduardo de Santiago (membro do Ministério das Obras Públicas espanholas) e Professor Ángel Menéndez Reixach (Universidade Autônoma de Madri), que apresentou a evolução do direito urbano espanhol nas últimas décadas e o sistema de distribuição de competências.
 
               O segundo dia começou com um bloco dividido em duas intervenções. De um lado, Paula Correia (Universidade de Lisboa), brindou a audiência com reflexões sobre o sistema português e as mais-valias, bem como os métodos de recuperação de valores que o próprio setor público gera.
 
               De outro lado, João Miranda (Universidade de Lisboa), referiu-se ao planeamento urbano e às mudanças climáticas. Com base no princípio da sustentabilidade e das mudanças climáticas, foram analisadas as estratégias portuguesas para a adaptação do planeamento urbano a esse problema e à situação concreta da capital, Lisboa.
 
               A manhã terminou com um bloco de intervenções, que incluiu Demetrio Muñoz (Universidade Nijmeegen) e dois representantes do TransJus. Demetrio Muñoz apresentou um estudo sobre a recuperação pública dos ganhos de capital urbano, comparando vários modelos internacionais e apresentando as possibilidades e os limites da ação de negociar para impor contribuições urbanísticas.
 
               Alex Peñalver destacou a relação entre o planeamento urbano e o direito ao meio ambiente. Explicou o reconhecimento internacional deste direito, com especial referência à Convenção de Aarhus, que este ano celebra 20 anos, e à lei espanhola 27/2006. No que diz respeito ao acesso à informação ambiental, comentou várias resoluções do Comitê de Cumprimento relacionadas às questões urbanas. Já quanto à participação dos cidadãos, referiu-se a resoluções que enfatizam a necessidade de se iniciar as atividades participativas o quanto antes e que não sejam inauguradas em períodos de férias. Em relação ao pilar do acesso à justiça, destacou-se que este é o grande desafio ainda por superar, uma vez que faltam reformas legislativas e mais recursos económicos.
 
               Juli Ponce explicou a relevância do direito à cidade como um paradigma integrador de direitos exercido no contexto urbano, com foco em dois deles, habitação e igualdade, conforme análise extraída da Agenda Urbana da UE em processo e várias decisões do Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE), relativas à habitação social como tarefa de interesse geral, cuja regulamentação pode estabelecer tanto obrigações de serviço público quanto promover habitação a preços acessíveis.
 
               À tarde, o congresso reuniu especialistas de ambos os países. María Ángeles Fernández Hernando (Ministério do Desenvolvimento da Espanha) apresentou o papel das Estratégias de Desenvolvimento Urbano Sustentável e Integrado (EDUSIs). O Regulamento FEDER (Regulamento (UE) n.º 1301/2013) estabelece que, ao longo do período 2014-2020, pelo menos 5% dos recursos deste fundo devem ser utilizados para financiar medidas integradas para o desenvolvimento urbano sustentável. De acordo com esta disposição regulamentar, as cidades e áreas urbanas espanholas têm a oportunidade de receber financiamento no âmbito do Acordo de Associação da Espanha 2014-2020, aprovado pela Comissão Europeia em 30 de outubro de 2014 e na Área Urbana dentro do Programa Sustainable Growth Operative (POCS) 2014-2020. As duas primeiras chamadas foram concluídas com a participação de mais de 76% dos municípios que ultrapassam 20 mil habitantes.
 
               Em seguida, o professor de Direito Administrativo e Juiz Conselheiro do Tribunal Constitucional Português, Claudio Monteiro, abordou a questão da habitação para uso turístico, destacando a conexão entre ela e a falta de habitação a preços acessíveis. Não há soluções mágicas, o planeamento urbano por meio da regulamentação de usos e a distinção entre uso da moradia e outros usos podem conter as externalidades negativas que as habitações turísticas estão a implantar tanto em Portugal quanto em Espanha. José Manuel Simões (Universidade de Lisboa) considerou construção e território sob uma perspetiva multi-escalar, oferecendo dados globais sobre os graus de urbanização no mundo e reflexões sobre mudanças climáticas além de gentrificação entre outros temas. Pablo Molina (Garrigues) e Marta Lora-Tamayo (UNED) debruçaram-se sobre as consequências das crises económicas nos processos de urbanização e às possibilidades da lei da terra e da atual reabilitação estadual para operar em solos urbanos consolidados, aumentando as possibilidades de reverter, de inverter, o reparcelamento.
 
               O encerramento do congresso contou com a participação de João Ferrão (Universidade de Lisboa) e Ángela de La Cruz que refletiu sobre as novas agendas urbanas e, em particular, sobre a espanhola em curso. O encerramento foi realizado por Fernanda Carmo (Diretora Geral do Território em Portugal).
 
               O congresso foi um sucesso e confirmou que, como o professor Auby salienta num artigo, recentemente traduzido para o espanhol pelo TransJus, a cidade configura-se como uma nova fronteira do direito administrativo, bem como outros ramos do direito e outras especialidades. Esperamos poder realizar sucessivas edições alternativas em Espanha e Portugal do Congresso para sua continuidade futura.
 

O CIDP convida juízes e advogados portugueses a participarem no projecto e_NACT.

e_NACT é um projecto co-financiado pela Comissão Europeia que tem como principal objectivo a formação de...

A equipa da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa venceu a Final Regional do...

O Centro de Arbitragem Administrativa e Tributária de Portugal (...

11 de janeiro de 2018, às 18h30, na Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa

Encontra-se aberto concurso para a atribuição de 1 (uma) Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia no âmbito do CIDP, ao abrigo do Regulamento de Bolsas da Universidade de Lisboa, publicado no...

Foi lançada pela editora Almedina uma nova obra da coleção ICJP/CIDP, intitulada "Comentário ao Regime Jurídico do Património Imobiliário Público -...

O Centro de Investigação de Direito Público do Instituto de Ciências Jurídico-Políticas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa​, em parceria com o "Observatório da Legislação Portuguesa...

A Direção do Instituto de Ciências Jurídico-Políticas e o seu Centro de Investigação promoveram um jantar de homenagem ao Professor Doutor Jorge Miranda pelo seu papel central...

Na sequência das eleições realizadas no dia 24 de julho de 2017 foram designados pela Assembleia Geral do instituto, os titulares dos novos órgãos sociais do ICJP. A Direção será presidida pelo...

O Prof. Doutor Jorge Miranda, Professor Catedrático da FDUL e Presidente da Direção do Instituto de Ciências Jurídico-Políticas, foi condecorado, no dia 20 de julho, no Palácio de Belém, por S....

Páginas

black