O “poder neutro” de Benjamin Constant e o constitucionalismo Português

Publicado em Sex, 22/01/2016 - 14:19

Marco Caldeira, investigador do CIDP, publicou recentemente uma monografia intitulada O “poder neutro” de Benjamin Constant e o constitucionalismo Português.
A obra incide sobre o pensamento político de Benjamin Constant (1767-1830) e sobre a respectiva influência no constitucionalismo luso-brasileiro dos séculos XIX e XX, em especial através da figura do poder “real”, “neutro” ou (como viria a ser designado na Constituição Brasileira de 1824 e, em Portugal, na Carta Constitucional de 1826) “moderador”.
Nesta linha, a obra traça, em primeiro lugar, uma descrição global do pensamento político de Benjamin Constant (incluindo o entendimento do autor sobre a liberdade, a democracia, a propriedade e a origem e limites do poder político), para, seguidamente, se debruçar sobre a sua construção doutrinária de um “poder neutro”, que figurará na história do constitucionalismo como o contributo mais original e mais duradouro do autor. O referido “poder neutro”, que constituía um poder intermédio entre o poder legislativo e o executivo, visava obstar às consequências mais nocivas de um entendimento mais rígido da teoria da separação dos poderes, destinando-se a evitar conflitos que enfraquecessem ou paralisassem a actuação do Poder.
Apesar de uma tal construção não se encontrar isenta de reparos e de poder ser entendida como uma forma de perpetuação de um elemento aristocrático mesmo num contexto democrático-representativo, a verdade é que a mesma foi importada – de forma deficiente, aliás – para o constitucionalismo luso-brasileiro, fazendo-se a sua influência sentir ainda hoje. De facto, uma das leituras possíveis do estatuto do Presidente da República, tal como se encontra consagrado na Constituição da República Portuguesa de 1976, é precisamente a de encarar este órgão como uma figura supra-partes, independente e com funções de arbitragem política.
O livro foi publicado pela Chiado Editora, em sessão pública que teve lugar no dia 20 de Janeiro de 2016 e que contou com a apresentação do Professor Doutor Paulo Otero.

A DGPJ pretende constituir uma lista de interessados tendo em vista o recrutamento de juristas para, em comissão de serviço de dois anos, eventualmente renovável, exercerem funções como...

A Professora Doutora Ana Maria Guerra Martins, investigadora principal do Centro de Investigação de Direito Público (CIDP), foi eleita no dia 2 de outubro de 2019 como a próxima...

Fotografia do Prof. Freitas do Amaral (créditos: Lusa)

O Grupo de Ciências Jurídico-Políticas manifesta publicamente o mais profundo pesar pelo falecimento do Prof. Doutor Diogo Freitas do Amaral.

...

O Grupo de Ciências Jurídico-Políticas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa comunica, com grande pesar, o falecimento de um dos seus mais antigos Doutores e...

Equipa CIDP

A Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) divulgou esta semana os resultados da avaliação das unidades de I&D realizadas por painéis de avaliadores oriundos de universidades estrangeiras de...

O Bastonário da Ordem dos Advogados, Guilherme Figueiredo, e o juiz do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, Professor catedrático Paulo Pinto de Albuquerque, organizam o...

Realizou-se nos dias 21 e 22 de março, o Congresso Luso-Brasileiro de Legística, na Cidade de S....

Lisboa, 6 e 7 de junho de 2019

O DIREITO INTERNACIONAL E OS LIMITES DA LUTA CONTRA O TERRORISMO

...

Páginas

black