O “poder neutro” de Benjamin Constant e o constitucionalismo Português

Publicado em Sex, 22/01/2016 - 14:19

Marco Caldeira, investigador do CIDP, publicou recentemente uma monografia intitulada O “poder neutro” de Benjamin Constant e o constitucionalismo Português.
A obra incide sobre o pensamento político de Benjamin Constant (1767-1830) e sobre a respectiva influência no constitucionalismo luso-brasileiro dos séculos XIX e XX, em especial através da figura do poder “real”, “neutro” ou (como viria a ser designado na Constituição Brasileira de 1824 e, em Portugal, na Carta Constitucional de 1826) “moderador”.
Nesta linha, a obra traça, em primeiro lugar, uma descrição global do pensamento político de Benjamin Constant (incluindo o entendimento do autor sobre a liberdade, a democracia, a propriedade e a origem e limites do poder político), para, seguidamente, se debruçar sobre a sua construção doutrinária de um “poder neutro”, que figurará na história do constitucionalismo como o contributo mais original e mais duradouro do autor. O referido “poder neutro”, que constituía um poder intermédio entre o poder legislativo e o executivo, visava obstar às consequências mais nocivas de um entendimento mais rígido da teoria da separação dos poderes, destinando-se a evitar conflitos que enfraquecessem ou paralisassem a actuação do Poder.
Apesar de uma tal construção não se encontrar isenta de reparos e de poder ser entendida como uma forma de perpetuação de um elemento aristocrático mesmo num contexto democrático-representativo, a verdade é que a mesma foi importada – de forma deficiente, aliás – para o constitucionalismo luso-brasileiro, fazendo-se a sua influência sentir ainda hoje. De facto, uma das leituras possíveis do estatuto do Presidente da República, tal como se encontra consagrado na Constituição da República Portuguesa de 1976, é precisamente a de encarar este órgão como uma figura supra-partes, independente e com funções de arbitragem política.
O livro foi publicado pela Chiado Editora, em sessão pública que teve lugar no dia 20 de Janeiro de 2016 e que contou com a apresentação do Professor Doutor Paulo Otero.

O Centro de Investigação de Direito Público do Instituto de Ciências Jurídico-Políticas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa​, em parceria com o "Observatório da Legislação Portuguesa...

A Direção do Instituto de Ciências Jurídico-Políticas e o seu Centro de Investigação promoveram um jantar de homenagem ao Professor Doutor Jorge Miranda pelo seu papel central...

Na sequência das eleições realizadas no dia 24 de julho de 2017 foram designados pela Assembleia Geral do instituto, os titulares dos novos órgãos sociais do ICJP. A Direção será presidida pelo...

O Prof. Doutor Jorge Miranda, Professor Catedrático da FDUL e Presidente da Direção do Instituto de Ciências Jurídico-Políticas, foi condecorado, no dia 20 de julho, no Palácio de Belém, por S....

O Centro de Investigação de Direito Público do Instituto de Ciências Jurídico-Políticas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa vai organizar a conferência I Lisbon Meeting on Legal...

O Centro de Investigação de Direito Público do Instituto de Ciências Jurídico-Políticas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa organizou no último dia 8 de junho na Faculdade de Direito...

Reuniu no dia 18 de abril, pelas 9h30m, nas instalações da Faculdade de Direito de Lisboa, o júri de seleção designado pela Comissão Coordenadora Científica do Centro de Investigação de Direito...

O Instituto de Ciências Jurídico-Políticas assinala e lamenta o falecimento, com 92 anos, do Professor Giovanni Sartori, no passado dia 4 de abril.

...

Reuniu no dia 5 de abril, pelas 9 horas, nas instalações da Faculdade de Direito de Lisboa, o júri de seleção designado pela Comissão Coordenadora Científica do Centro de Investigação de Direito...

Encontra-se desde já aberto, o concurso para atribuição de 1 (uma) Bolsa de Investigação no âmbito do Projeto de Investigação Gestão e Rentabilização de Bens Públicos, com o apoio...

Páginas

black