O “poder neutro” de Benjamin Constant e o constitucionalismo Português

Publicado em Sex, 22/01/2016 - 14:19

Marco Caldeira, investigador do CIDP, publicou recentemente uma monografia intitulada O “poder neutro” de Benjamin Constant e o constitucionalismo Português.
A obra incide sobre o pensamento político de Benjamin Constant (1767-1830) e sobre a respectiva influência no constitucionalismo luso-brasileiro dos séculos XIX e XX, em especial através da figura do poder “real”, “neutro” ou (como viria a ser designado na Constituição Brasileira de 1824 e, em Portugal, na Carta Constitucional de 1826) “moderador”.
Nesta linha, a obra traça, em primeiro lugar, uma descrição global do pensamento político de Benjamin Constant (incluindo o entendimento do autor sobre a liberdade, a democracia, a propriedade e a origem e limites do poder político), para, seguidamente, se debruçar sobre a sua construção doutrinária de um “poder neutro”, que figurará na história do constitucionalismo como o contributo mais original e mais duradouro do autor. O referido “poder neutro”, que constituía um poder intermédio entre o poder legislativo e o executivo, visava obstar às consequências mais nocivas de um entendimento mais rígido da teoria da separação dos poderes, destinando-se a evitar conflitos que enfraquecessem ou paralisassem a actuação do Poder.
Apesar de uma tal construção não se encontrar isenta de reparos e de poder ser entendida como uma forma de perpetuação de um elemento aristocrático mesmo num contexto democrático-representativo, a verdade é que a mesma foi importada – de forma deficiente, aliás – para o constitucionalismo luso-brasileiro, fazendo-se a sua influência sentir ainda hoje. De facto, uma das leituras possíveis do estatuto do Presidente da República, tal como se encontra consagrado na Constituição da República Portuguesa de 1976, é precisamente a de encarar este órgão como uma figura supra-partes, independente e com funções de arbitragem política.
O livro foi publicado pela Chiado Editora, em sessão pública que teve lugar no dia 20 de Janeiro de 2016 e que contou com a apresentação do Professor Doutor Paulo Otero.

O Professor Carlos Blanco de Morais, Vice-Presidente do ICJP e Coordenador Científico do CIDP, foi condecorado no dia 27 de outubro, no Palácio do Planalto, em Brasília, com a Ordem Nacional do...

O Institute of Advanced Legal Studies (IALS), em parceria com a United Nations Human Settlement Programme (UN-Habitat), abriu um processo de candidaturas com vista à obtenção de uma graduação de...

A presente obra, editada em parceria entre a AAFDL e o Instituto Superior de Ciências Jurídicas e Sociais de Cabo Verde (ISCJS), reúne as intervenções proferidas nas “II Jornadas de Direito...

 
Encontram-se desde já abertos, os concursos para atribuição de três bolsas,  uma no âmbito do CIDP e duas no âmbito do OPA, com o apoio financeiro da FCT/MCTES através de fundos nacionais...

A Comissão Fulbright anuncia a abertura de concursos para a atribuição de Bolsas a professores e investigadores portugueses que pretendam lecionar e/ou realizar trabalhos de...

Press release

Vão realizar-se no próximo dia 14 de Outubro de 2016 na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa as III Jornadas de Direito Municipal Comparado Lusófono,...

Ocorreu no dia 16 de Setembro de 2016 o evento de divulgação pública do livro  
 
O Direito da Energia em Portugal: cinco questões sobre o "estado da arte", 
editado pela AAFDL e...

LABORATÓRIOS DE DIREITO EUROPEU E INTERNACIONAL DE LISBOA
 
Workshop sobre o “Caso Actividades militares e paramilitares na Nicarágua” – 30 anos depois, a Comunidade...

Nos dias 21 e 22 de Junho de 2016 teve lugar na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa a International Conference on Adapting to Climate Change (ACC2016). Este evento foi...

The Transnational Training Workshop on Non-discrimination do Projeto ACTIONES, que faz parte do Center for Judicial Cooperation do European University Institute, abriu uma call...

Páginas

black